Crítica – “João Fígar com Odon Nacasato”: CD resgata canções de rara beleza!

Crítica – Som da “Misbehaviour” impressiona e “Maila” agita o Old Motors
12/05/2017
Flib 2017 – Feira Literária será aberta nesta quarta-feira na cidade de Bonito
12/06/2017

Crítica – “João Fígar com Odon Nacasato”: CD resgata canções de rara beleza!

CD de dois grandes artistas do Mato Grosso do Sul: João Fígar e Odon Nacasato

Mais uma vez tive o prazer de ouvir antecipadamente as músicas do CD de outros dois grandes artistas sul-mato-grossenses. Vejo esse ato como um sinal de muita gratidão e principalmente o sentimento de respeito que muitos desses músicos têm pelo meu trabalho na área de jornalismo crítico cultural de Mato Grosso do Sul. O CD “Pedra que Brilha” – João Fígar com Odon Nacasato que estará em todas as plataformas digitais a partir desta quarta-feira (6) é um trabalho de 5 (cinco) anos de muita luta e foi gravado, mixado e masterizado no Studio Vozes.

Ao todo são 11 canções escolhidas com muita cumplicidade e têm as participações de grandes músicos e compositores do Estado. O lindo do trabalho é que o CD é um resgate músicas maravilhosas. A ideia nasceu de um encontro de fim de ano na residência  do músico e poeta Aloysio Nunes (ex-Grupo Therra), onde Odon encontrou com João Fígar e surgiu o pensamento de homenagear o músico e amigo em comum, Orlando Brito, que havia falecido a pouco tempo. No entanto João disse que gostaria de fazer um CD em conjunto e logo topou e assim resolveram também homenagear vários músicos que se foram e são esquecidos pelos órgãos culturais, como Orlando Brito, Lucio Val, Arandas Junior, Claúdio Prates. O trabalho tem consta com músicos consagrados, como Antônio Porto, Carlos Batera, Marcelo Ribeiro, Ivan Cruz, Caio Ignácio, Adriano Praça, Estevão Vilalba, Luís Ávila, Sandro Moreno, além de participações especiais da dupla Américo e Nando, e Mirian Barbosa.

O CD já emociona com a primeira canção, intitulada “Cartas na Manga”, que ficou na segunda colocação no primeiro FESSUL – Festival Sul-Mato-Grossense da Canção realizado no então ginásio da UCE – União Campo-Grandense de Estudantes. A canção é assinada por Matusalém Vieira e Sidney Rezende. Um das mais lindas canções que particularmente já ouvi. Para quem ouvir vai lembrar que letra teve algumas mudanças da versão do festival, no entanto continua belíssima e com a voz maravilhosa de Fígar. “Semente”, de Odon Nacasato, muita suavidade em uma canção de fala de amor, sonhos, luz e solidão. O músico mostra sua capacidade de descobrir a cada frase, notas musicais e tons suaves. “Guerra Santa”, de Geraldo Espíndola e Arandas Jr, tem a cara o autor. Fala de nossa América, dos índios, das guerras, fome e paz. Muita emoção que somente artistas como Geraldo e Arandas poderiam construir.

As duas seguintes, “E o Verso Seduziu” (homenageia o poeta Manoel de Barros) e “Fragmentos”, (voz de João Fígar), de Odon Nacasato, canções suaves e que sempre foram marca deste grande artista que passa em suas composições, esperança, fé, amor e principalmente gratidão a todos. “Idas e Vindas”, de Paulo Simões e Guilherme Rondon, com certeza uma música escolhida a dedo desses dois grandes artistas do Estado e que representam o que há de melhor na música do Estado. “Viver Bem”(Indiozinho), muito conhecida nos anos 80, de Tito Monteiro e Ciro Pinheiro. Novo arranjo e a participação da cantora Mirian Barbosa. Ficou bela.

“Viola Viola”, canção de João Fígar. O cantor mostra que continua com sua voz que é considerada um das melhores do Mato Grosso do Sul. João assina na canção e coloca seu lado poético com muita sensibilidade. “Voo da Juriti”, outra canção resgatada e dessa vez da Liga Tripa. Sempre ouvi essa canção com Carlos Colman e o Grupo Therra (aliás até pensei na época que era do grupo). João Fígar me levou a lembrar nesse passado onde a música sul-mato-grossense surgia com grande força e permanece até hoje. “Voos Claros”, conhecida por todos, de Geraldo Espíndola e gravada no primeiro disco de Tetê e o Lírio Selvagem. Fígar mais um vez com sua voz marcante. E o CD encerra com “Itaverá”, outra canção conhecida de Geraldo e que João Fígar sempre gostou de cantar. Simplesmente lindíssima regravação.

O CD “Pedra que Brilha” – João Fígar com Odon Nacasato é um diamante com canções preciosas. Para quem gosta da boa música de Mato Grosso do Sul, sem dúvida deve adquirir esse trabalho e repassar para todos os amigos de fora. É um trabalho extremamente gostoso de ouvir e sentir. É para viajar no tempo e não querer retornar justamente porque ele faz bem para a alma.

9 Comentários

  1. Alex Fraga disse:

    Muito bons !

  2. Carlos Carretoni disse:

    Que bom ver e ouvir vcs elaborando a genuina musica brasileira!

  3. Alex Fraga disse:

    Está excelente. Muitas e boas recordações!

  4. Alex Fraga disse:

    Ouça sim. Está excelente. Boas recordações dos bons tempos !

  5. Alex Fraga disse:

    Grande Bethynho. Quero saber do seu CD. Abraço

  6. Malu Morenah disse:

    Parabéns meninos. Vou baixar agora esse som❤

  7. Bethynho show disse:

    Top Alex!! meu amigo o estúdio vozes foi o primeiro estou que gravei logo que cheguei em Campo grande eu era do Samba som 5, Joao figa muito curtido “caneta nervosa ” Alex vc realmente é um amante e defensor da música 🎵 Sul Mato grossense seus comentários tem vida aquele abraço meu Irmão sou teu fã “

  8. Dib Jorge Abussafi Figueiró disse:

    Duas Grandes figuras do nosso Estado. Parabéns. Já sinto cheiro de sucesso. Parabéns

  9. Nilton de Alcântara Plácido disse:

    Parabéns para todos os artistas deste trabalho!
    Desejo ouvir e sentir estas músicas, algumas delas já conheço bem!
    É maravilhoso ter inspiração para criar trabalhos assim, dá ânimo quem gosta da arte, dá vida a imaginação para continuar vivendo bem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *