Crítica – Uma locomotiva musical chamada Jerry no Sesc Morada dos Baís

Crítica – Festival de Música “Viva Campo Grande” mostra que chegou para ficar
12/23/2017
Show – Harpista Fábio Kaida mostra seu som latino nesta sexta-feira na Capital
12/27/2017

Crítica – Uma locomotiva musical chamada Jerry no Sesc Morada dos Baís

Jerry Espíndola mostrou todo seu talento no Sesc Morada dos Baís. (Foto: Vaca Azul)

Quando um artista comemora 35 anos de carreira e continua evoluindo, é sinal que ele ainda tem muito “lenha para queimar” na locomotiva da cultura. Um desses bons “trem” esteve na última quinta-feira com alguns passageiros especiais na sua estação principal, o Sesc Morada dos Baís. Jerry Espíndola, o então caçula da genial família Espíndola entrou no palco para contar um pouco de sua história musical iniciada por um “chamado” do cantor e compositor Paulo Simões pela primeira vez em um palco.

Jerry estava satisfeito e sorridente porque nesse trem tinha que apresentar suas canções e esses passageiros especiais: Maria Alice, Guga Borba, Otávio Neto, Rodrigo Teixeira, Ju Souc, Marina Peralta, Fabrizia Souza e Begèt de Lucena. Na estação do Sec Morada dos Baís, uma banda com músicos talentos: Alex Cavalheri (teclados), Jane Jane (baixo), Sandro Moreno (bateria) e Ju Souc (guitarra), que deu um show de sonoridade impecável, demonstrando que o Mato Grosso do Sul tem talentos de sobra.

Essa verdadeira viagem musical começou com a canção “Veneno”, passando por “Colisão” e “Azeite”. Trabalhos autorais e com parceiras que Jerry sempre fez questão de mostrar para todos os sul-mato-grossenses. Aliás, é de praxe a família Espíndola sempre tocar canções autorais e de outros compositores sul-mato-grossenses. Sempre ela valorizou o autoral. Após as três canções, a primeira passageira do trem foi chamada para cantar “Meu Vício”, uma das canções mais conhecidas do artista. Maria Alice mais uma vez esbanjou talento e com sua voz afinadíssima levou o pública cantar e deliciar com seu talento.

Posteriormente o novo passageiro, Guga Borba veio com “O que eu não disse”. Guga Borba é um artista diferenciado e que sempre em suas apresentações demonstra carinho e muito profissionalismo. Veio Otavio Neto, outro artista maravilhoso e que tem em sua veia, o som contagiando da “soul music” e cantou “Dona na Bola”. Após a apresentação de parte dos passageiros da locomotiva do Jerry, continuou com as canções: “Radical”, “Sei lá”, “Zap”, “Control C”, “Mundo Louco”, “Teu”, “Atlântida Pantanal”, “Minha Intenção”, “Equinóquio”, “Tanta Pantanal”. Canções que mostram a versatilidade musical do artista.

Mais outro passageiro talentoso foi chamado. Dessa vez o parceiro de longas datas Rodrigo Teixeira, que cantou a canção “Hermanos Irmãos” que faz parte do repertório do trio formado pelos dois juntamente com Marcio de Camillo. Bela canção e como sempre um entrosamento ímpar. Outro excelente talento. A banda depois continuou a tocar para Jerry cantar mais belas músicas: “Seja simpático”, “Minha nega” (adoro essa canção). Assim chegou a vez de Ju Souc, uma das grandes surpresas musicais surgidas nos últimos anos no Mato Grosso do Sul. “O Amor não vai embora”, deixou o show com um clima romântico. Ju é maravilhosa.

Chegou a vez de outra estrela brilhante musicalmente: Marina Peralta. A “regueira” que hoje desponta como uma das melhores do país no gênero,levou a canção “Mato Grande”. Talento impecável. Em seguida apareceu “Fabrizia Souza”, que gradativamente vem aparecendo e cantando nos shows, mostrando que tem brilho de sobra. Por fim, Jerry chamou seu último passageiro: o diferenciado, performático e sempre adorável, Beget de Lucena. O cara arrebenta sempre. Sente cada tom musical. Nas suas apresentações sempre é um show a parte. Maravilhosa apresentação.

Jerry Espíndola terminou sua viagem de 35 anos de carreira em apenas duas horas com a canção “Funk humano”, revelando que Mato Grosso do Sul faz esse tipo de som com um pouco mais de ritmo e letra que tem verdadeiro sentido. Um encerramento de um show lindo e com muito profissionalismo. Sempre é um grande prazer de ouvir esse artista que continuará sem dúvida viajando com sua locomotiva musical, iluminado e colorindo o cenário cultural de Mato Grosso do Sul.

4 Comentários

  1. Alex Fraga disse:

    Grato você por encantar a música sul-mato-grossense Jerry. Abraço

  2. Alex Fraga disse:

    Grato você Carlos. Abs

  3. carlos marques medeiros disse:

    Congrats, Alex, pela crítica impecável!

  4. Jerry Espíndola disse:

    Alex, só tenho a agradecer a sua presença e solidariedade com a arte sul-mato-grossense.
    Obrigado por nos acompanhar todos estes anos e fazer e emitir a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *