Teatro – Peça escrita por Lu Bigatão será encenada a partir desta quarta-feira

Show – Banda Misbehavior mostra seu som neste sábado no Blues Bar
03/10/2018
Show – Bandas tocam nesta quarta-feira para ajudar Ong Fiel Amigo, no Blues Bar
03/14/2018

Teatro – Peça escrita por Lu Bigatão será encenada a partir desta quarta-feira

Peça será encenada a partir desta quarta-feira até sexta-feira. (Foto: Helton Perez)

A partir desta quarta-feira (14) até sexta-feira (16) será encenado o espetáculo “Guardiões” (Lú Bigattão), no espaço de teatro/TGR localizado à rua José Antônio, 2170 – Jd Brasil, sempre às 20h. As apresentações compõe o Projeto TGR em Fluxo que celebra a trajetória do grupo com atividades culturais. A peça, em cartaz há 04 anos, faz parte da Trilogia de Pesquisa do Grupo e retrata um pantanal com os impactos e consequências da ocupação humana tanto no ecossistema, quanto nas relações sócio culturais. A encenação apresenta um pantanal sui generis, provocando questionamentos na plateia. Os habitantes possuem uma relação simbiótica com o território que habitam e que, gradativamente, vão sendo expulsos da região. Os personagens sentem-se em desequilíbrio, assim como todo o ambiente, e enfrentam dificuldades com o novo sistema que se estabelece. A nova realidade que se impõe no território, fere as estruturas econômicas e sociais: o pantaneiro vislumbra a falência do seu mundo.

O texto foi escrito por Lu Bigatão, a obra também conta com a contribuição de textos elaborados pelo elenco. Lu Bigatão agora exercita seu oficio como dramaturga e cúmplice, dentro do espírito do coletivo-elenco, de levar à cena o trabalho de sua autoria. Em cena estão os atores André Tristão, Yago Garcia e a atriz Fernanda Kunzler, a direção deste trabalho é de Roma Román. Durante todo o ano, o TGR realizará diversas atividades artísticas potencializando os espetáculos que atualmente compõe o repertório do grupo com intuito de fortalecer o trabalho teatral em Campo Grande e manter a produção cultural na cidade viabilizando o acesso a arte.

Estas apresentações compõe o Projeto TGR em Fluxo aprovado no edital FOMTEATRO 2017 via Secretaria de Cultura e Turismo e Prefeitura Municipal de Campo Grande. TGR em Fluxo compreende 12 apresentações teatrais de 04 espetáculos distintos da companhia, 04 exibições de filmes produzidos pelo grupo, oficinas de iniciação teatral para jovens estudantes do bairro Nova Lima, e o início da sistematização do registro histórico do TGR. Todas as ações serão revertidas à sociedade, sem cobrança de ingressos ou taxas, para garantir o acesso ao que a própria sociedade investiu.TGR em Fluxo objetiva manter as atividades culturais do Teatral Grupo de Risco, promover o acesso a cultura e difusão da história de Mato Grosso do Sul, colaborando com o reconhecimento de nossa identidade

TRILOGIA SOBRE A HISTÓRIA DO ESTADO

A montagem faz parte de um projeto do Teatral Grupo de Risco de contar a história de formação de Mato Grosso do Sul através de uma trilogia teatral. Já foram montados dois espetáculos: Mbureo- A Saga dos Ervais, que abordou a história da erva-mate, responsável pela ocupação do sul do antigo Mato Grosso e um dos fatores da divisão dos dois estados. O trabalho enfocou a influência da cultura paraguaia na formação da identidade sul-mato-grossense. O segundo trabalho foi Guaicuru, Histórias de admirar que abordou a questão indígena, focando na importância dos índios Guaicuru para a história de MS, atuais Kadiwéu que habitam a  região de Bodoquena na reserva que conquistaram pelo apoio ao Brasil na Guerra contra o Paraguai. O Grupo completa a trilogia com a montagem dos Guardiões, onde foca a relação do homem com o meio ambiente na região pantaneira.

 

SINOPSE

O Espetáculo “GUARDIÕES”, foi construído coletivamente, por meio de um trabalho de estudos e pesquisas sobre o pantanal sul-mato-grossense, o impacto e consequências da ocupação humana tanto no ecossistema, quanto nas relações sócio culturais. A encenação apresenta um pantanal sui generis, provocando questionamentos na plateia. Os habitantes possuem uma relação simbiótica com o território que habitam e que, gradativamente, vão sendo expulsos da região. Os personagens sentem-se em desequilíbrio, assim como todo o ambiente, e enfrentam dificuldades com o novo sistema que se estabelece. A nova realidade que se impõe no território, fere as estruturas econômicas e sociais: o pantaneiro vislumbra a falência do seu mundo.

É uma encenação limpa, seca, que apresenta o modelo de “desenvolvimento” oferecido à nossa sociedade pelo sistema econômico vigente no mundo. O universo abordado é retratado de forma sintética: o cenário virtual, infinito e neutro, as cores só aparecem ao longe. Os atores são personagens que quase se confundem com o cenário, são quase invisíveis, a dureza do território está entranhada em seu modo de ser, de lutar, possuem uma simbiose bem peculiar e, ora animais, ora homens, vivem nesse cenário chamado pantanal, muito embora o tema tratado seja sério, há momentos lúdicos, delicados e também com toques de ironia e sátira.

“GUARDIÕES” nos apresenta três personagens que vivem simbioticamente nesse terrunho e agora tratam de entender e interagir “como de costume” num ambiente em que as tradições estão mudando ou desaparecendo vertiginosamente. A incerteza frente a esta nova realidade e o sentimento de abandono os une numa conjunção única de desesperança.

Além do texto escrito por Lu Bigatão, a obra também conta com a contribuição de textos elaborados pelo elenco. Lu Bigatão agora exercita seu oficio como dramaturga e cúmplice, dentro do espírito do coletivo-elenco, de levar à cena o trabalho de sua autoria.

“Como grupo estamos buscando caminhos para a criação e interpretação de textos de dramaturgos que contem a nossa história e nossa cultura. Se diz que não há teatro sul-mato-grossense porque não há dramaturgia aqui. Estamos nesta busca, há muito “ouro” para garimpar”.

Ficha técnica:

Direção: Roma Román

Dramaturgia: Lú Bigattão

Produção: Fernanda Kunzler

Elenco: André Tristão, Fernanda Kunzler e Yago Garcia

Preparação de elenco: Leandro Melo

Cenografia: Márcia Gomes

Vídeo cenário: Maíra Espindola e Rafael Mareco

Ilustrações: Rubén Dario Román Añez

Técnico som e Projeção: Ewerton Goulart

Iluminação/concepção: Anderson Lima – Técnico: Leonardo de Castro

Fotos: Helton Perez

Duração: 45 minutos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *