Crítica – Angela Fakir, uma artista que fura bloqueio de cores diferenciadas!

Teatro – “O Palhaço e a Luz” será apresentado neste fim de semana no Glauce Rocha
05/31/2018
Show – Melissa Azevedo comemora 20 anos de carreira com “Íntimo” hoje
06/02/2018

Crítica – Angela Fakir, uma artista que fura bloqueio de cores diferenciadas!

Angela Fakir, um artista da fronteira que merece ser destaque em todo o país

Raquel Piffer disse um dia: “Pintar, para mim, é uma extensão de pensamento, de sentido. É materializar o abstrato da emoção, é dar cores e movimentos à leveza do que se vive. São esses momentos fugazes de abstração que o artista tinge de personalidade o que cria”. A artista plástica Angela Fakir vai além. Expressa em suas telas, a sua voz e principalmente a sua vontade de liberdade de cores e tons deslumbrantes. Traços delicados e sensualidade em cada momento que é transmitido pelas suas pinceladas. Pura emoção em sua obra que somente quem deseja soltar seus “infinitos”, conseguindo chegar a cada ponto oculto.

Seu trabalho mostra inquietude plena. Residindo na fronteira – Ponta Porã – Mato Grosso do Sul, essa paranaense de Assis Chateubriand mostra-se diferenciada. Consegue alegrar-se com pintura que relembra a infância e por fim chega muitas vezes com a sensualidade pura de corpos grudados sobre a mais pureza e leveza. Nesse instante não existe agressividade alguma e sim beleza que atravessa nossos pensamentos mais febris. Poderia falar de sua técnica, mas não é necessário quando vimos que na realidade, Angela Fakir faz dessa inquietude, a sua verdadeira técnica diferenciada.

Consegue mostrar com muito profissionalismo, os traços de ingenuidade da criança pintando. No entanto, podemos ver essa delicadeza se transformando na mais bela arte. É muito gostoso “consumir” a arte de Angela Fakir, que tem um trabalho que também se preocupa em dedicar com aqueles que mais necessitam. Crianças e jovens em uma escola da fronteira conseguem sorrir e aprender com sua arte. Lembrando assim a frase de Leonardo da Vinci: “Pouco conhecimento faz com que as pessoas se sintam orgulhosas. Muito conhecimento, que se sintam humildes. É assim que as espigas sem grãos erguem desdenhosamente a cabeça para o Céu, enquanto que as cheias as baixam para a terra, sua mãe”.

Em seu  currículo, várias exposições justamente porque é uma artista nata. No dia 5 estará participando da Muestra Mercosul de Pintura e Fotografia, intitulada “Encuentro”, no Centro Cultural da Embaixada Brasileira do Brasil, na capital paraguaia, Assunção. Mais uma demonstração que essa artista plástica tem que se mais valorizada em Mato Grosso do Sul e em todo o país. Essa sensibilidade mostrada e criada em suas telas, sem dúvida garante o que a de melhor em quem trabalha com cultura: satisfação de que sua obra está sendo apreciada e principalmente valorizada pelas pessoas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *