Crítica – Simão Gandhy: grande destaque no último dia do Bonito Blues & Jazz

Crítica – Voz rara de Lucille Berce e o incrível blues do Paraguai em Bonito
09/08/2018
Show – Whisky de Segunda comemora 15 anos neste sábado no Blues Bar
09/14/2018

Crítica – Simão Gandhy: grande destaque no último dia do Bonito Blues & Jazz

Simão Gandhy fez um show impecável em Bonito (AF)

Friedrich Nietzsche disse um dia: “Sem a música, a vida seria um erro”. Pode-se dizer que o guitarrista douradense Simão Gandhy que abriu o último dia do Bonito Blues & Jazz Festival, a vida dele seria um erro se não mostrasse para o público seu grande talento. A musicalidade e a seriedade demonstrada na apresentação, sem dúvida mais uma vez o coloca como um dos principais músicos do Mato Grosso do Sul.

Ouvir Simão Gandhy acompanhado com um baterista e um baixista,  deu para perceber que foi um dos grandes destaques em Bonito. Cada compasso, solos incríveis.o artista deixou o público estagnado. Simão valorizou ainda mais o festival que trouxe vários nomes de peso do blues e jazz. Ao mesmo tempo que mostrava seu talento como grande guitarrista com seus solos rápidos, também em um determinado momento colocou sua técnica ao tocar uma canção instrumental com suavidade e que o público ouviu com a atenção devida. Um artista completo. A participação especial do músico paraguaio Dominique Bernal, da  Versión Palma Loma Blues foi um momento ímpar, gaita e guitarra com uma técnica invejável. O cara fez um show impecável.

Após esse belo show, o Trio Los Primos, com o conhecido músico Davi Moraes (filho de Moraes Moreira), Betão Aguiar e Gil. Os músicos que estavam na cidade há alguns dias para gravações, resolveram mostrar o som baiano para o público. Não se pode negar a musicalidade incrível desses artistas. O Trio não estava na programação, o que foi uma grande surpresa para os que assistiram a última noite do festival. Mas não tocaram blues e jazz – mesclaram um pouco de bossa nova com o som baiano que todos conhecem, principalmente quando Davi Moraes mostrou sua técnica como um guitarrista singular. Além disso, ocorreu até mesmo uma “canja” de Camilla Pitanga que também veio a Bonito para fazer algumas gravações e participou da “festa baiana”. Acredito que a atriz jamais pensa em seguir a carreira como cantora. Sua apresentação foi “caseira”: sem qualquer intenção. Sem mais… Mas foi legal assistir esses maravilhosos músicos, apesar de não ter nada a ver com o som proposto para o evento. Seria interessante o Trio Los Primos apresentar em uma edição do Festival de Inverno: fica uma dica.

Por fim, o Bonito Blues & Jazz encerou-se com o puro som e que teve tudo com o evento. Jefferson Gonçalves e Gustavo Andrade (Explosion Blues). Os cara mandaram tudo e muito mais um pouco. Puro blues e que deixaram arrepiados todos aqueles que foram especificamente esse tipo de som. Foram belas canções como: “Backdoor Man”,  “Little by Little” e “Sensitive Kind”. Um encerramento para deixar claro que o blues e  jazz vivem sim. A organização foi impecável e com certeza que quem não foi, perdeu e muito. O público que vai a eventos como este, quer ouvir esses gêneros, simplesmente Blues e Jazz e ponto final. Foi outra apresentação maravilhosa. Em geral, mais uma noite gostosa musicalmente.

2 Comentários

  1. Alex Fraga disse:

    A realidade sempre tem que ser dita. Belo show !

  2. Vou fazer um quadro com essa crítica, valeu mesmo Alex, isso é o que nos move !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *