Crítica – Ouvir Whisky de Segunda é ficar extasiado com tanta beleza musical!

Crítica – Peça Pedra Bruta mostra que vale a pena apostar na arte sem limites!
11/13/2018
Show – Capital Inicial, O Bando do Velho Jack e Jonavo neste sábado no Estoril
11/15/2018

Crítica – Ouvir Whisky de Segunda é ficar extasiado com tanta beleza musical!

Whisky de Segunda fez um belo show no Sesc Morada. (Foto: AF)

O eterno BB King já dizia: “A beleza do aprendizado é que ninguém pode roubá-lo de você”. Na semana passada, em uma sexta-feira no Sesc Morada dos Baís tive a oportunidade de assistir novamente a banda de blues “Whisky de Segunda”. Na verdade o que se pode notar neste show que não teve muita novidade para o público fiel que ama o blues. Esperar o que dessa banda: apenas ter mais aprendizado de amar o blues.

Sempre pontuais e com um figurino impecável, a banda já levantou o público com o instrumental “San Ho Zay” (Freddie King) e na sequencia  “Shake Rattle Roll”, de Big Joe Tuner, que aliás tive o prazer de ouvir essa canção em um disco de 78 rpm (1954) que ganhei do pai de um amigo e que até hoje preservo com muito carinho. Assim, o Whisky de Segunda foi abrindo as mentes de todos que compareceram para simplesmente ouvir o melhor do blues. Veio  “I”M Living Cause Of You” e outras belas canções, que alias o público estava esperando com ansiedade:  “Just a Little Bit”, “All Of Your Love”,  a maravilhosa “Living In My Neighborhood” de Magic Slim.

A diferença da Whisky de Segunda é que a banda se incorpora no autêntico blues e apostam também em suas canções autorais como a bela “From Campo Grande To Chicago” lançado recentemente através de um clipe com grande produção. Na verdade, Robson Pereira (vocal), Jefferson Pasa (guitarra), Alexandre Artioli (baixo), Eric Phill (teclados) e Carlos Henrique (bateria) em cada apresentação, deixam aquele encantamento e que neste dia mereceu até mesmo elogios de nada menos do que Guy King, um dos melhores músicos que blues dos Estados Unidos, que estava presente no show.

Vale ressaltar que a banda passeou por outras belas músicas, como também  “Woke Up This Morning”, “Boogie Rumble” e a adorável “Double Trouble”. A presença feminina das que se intitulam “Whiskyzetes”, deu um ar mais autêntico do blues dos vocais de  Nova Orleans. Um encanto e que mais uma vez preencheu ainda mais a tonalidade musical dessa banda que não perde em momento algum para outras bandas de blues da América Latina. São 15 anos de uma banda que só acrescenta o prazer de ouvir música. O show foi belo e ímpar, encerrando com “I Cant” Quit You Baby” e a que não podia falar “Crazi Girl”. Quem não foi, perdeu. Quem foi ficou ainda mais seduzido pelo blues da Whisky !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *