Fotografia – “Liberto a Alma – Valorização da Mulher Negra” no Bosque dos Ipês

Show – Duo AnaVitória canta no dia 9 de dezembro no ginásio Dom Bosco
11/16/2018
Show – Trovadores do Tempo é a atração no Teatro Prosa Sesc Horto
11/22/2018

Fotografia – “Liberto a Alma – Valorização da Mulher Negra” no Bosque dos Ipês

Exposição de fotografias até o dia 30 no Shopping Bosque dos Ipês

Até o dia 30, os campo-grandenses poderão apreciar a exposição “ Liberto a Alma – Valorização da Mulher Negra”, no Shopping Bosque dos Ipês, próximo a Lojas Renner. O trabalho foi realizado pelo professor de arte Diego Torraca na Escola Municipal Professora Brígida Ferraz Foss com alunas e funcionárias negras da escola. A mostra conta com 51 fotografias feitas no ambiente escolar referenciando a artista Frida Kahlo, a fim de valorizar e elevar a autoestima dessas mulheres, protagonizando-as e proporcionando, por meio da fotografia, um (re)conhecimento da própria imagem, ainda que de maneira lúdica.

A ideia surgiu da necessidade de elevar a autoestima das alunas e funcionárias negras da escola que não são reconhecidas como “padrão de beleza” e também não estão representadas nas imagens do cotidiano, como as capas de revista, novelas e no cinema. A estética que norteou o ensaio foi inspirada no universo da artista plástica mexicana Frida Kahlo.  A escolha por Frida se deu por ser um símbolo de empoderamento, por ser uma mulher que buscava sua felicidade e se colocava   em grau de igualdade perante os homens. Em suas fotografias aparece sempre representada com tiaras de flores, em meio a elementos da natureza e pelo marcante uso da cor.

A fotografia foi o meio artístico escolhido pois geralmente vemos a representação da mulher negra de forma estereotipada, africanizada, com turbantes e grafismos étnicos. Sabemos que as mulheres reais estão a nossa volta, de diversas formas, estão inclusive nas salas de aula e também em outras funções na instituição. O título do projeto veio do poema da designer Maria Fernanda Paes de Barros que possui uma pesquisa voltada para questão da identidade histórica brasileira e o negro está inserido na história, não como protagonista, mas como símbolo de resistência. E no momento político e social atual vemos que as coisas não mudaram muito.

O projeto foi idealizado em setembro e contou com a ajuda da professora Rosineide Alencar que ficou responsável pela logística (convidar as meninas, enviar os bilhetes aos pais e pegar os depoimentos das alunas) e com o apoio de três estagiárias  (Leia Shibuya, Andreia Serrano e Odilaine Lopes) que fizeram cabelo e maquiagem. O professor Diego Torraca montou o cenário, fotografou e editou as fotos, além de ser o idealizador do projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *